- Diminuir + Aumentar

José Ramos

  O QUE DOM ALBERTO GAUDÊNCIO RAMOS
ESCREVEU SOBRE A FUNDAÇÃO DA DIOCESE DE BELÉM


Em 30 de Março de 1983, comemorando os 264 anos da fundação da Diocese de Belém, o então Arcebispo Dom Alberto G. Ramos, escreveu no “Voz de Nazaré” e republicado no “O Liberal”, o texto que repetimos agora festejando o 3º século da fundação da nossa Diocese.
    
“Em março de 1719, encontrava-se nesta cidade de Belém o bispo do Maranhão, Dom José Delgarte e aqui prolongou sua estada, pois a 21 do mesmo mês, sagraria a igreja de São Francisco Xavier, hoje, conhecida como Santo Alexandre.
 
Mal podia imaginar que, a essa hora, já havia sido assinado em Roma, pelo Papa Clemente XI, a bula “Copiosus in Misericordie” a ereção da diocese do Pará, justamente a 4 de Março.

A jurisdição do bispo do Maranhão, até essa data, ia dos confins do Piauí à Guiana Francesa, da Costa do Atlântico aos duvidosos limites com as colônias espanholas. Uns três milhões e 700 mil quilômetros quadrados! Mesmo assim, ainda houve protestos, na Atenas Brasileira, quando se cogitou de erigir o novo bispado do Pará!

Belém, aconchegada ao fundo da baia de Sepererá ou Guajará, pequeno Burgo acantonado em torno do promontório do Forte do Presépio, começava a estender-se pela campina, e assinalava o seu litoral com os grandes conventos de Sto. Antônio, dos Mercedários, dos Jesuítas, dos Carmelitas e de outro ramos da Família Franciscana. Eram os principais focos de cultura, que abriram suas portas para a formação sacerdotal do clero diocesano e também humanística dos jovens mais destacados.
    
Não foram pequenas as dificuldades para tentar a evangelização do vale Amazônico. O primeiro bispo não encontrava nem catedral, nem seminário, nem residência.

Vou interromper para continuar na próxima edição, transmitindo um pouco
mais da autêntica história da Igreja na Amazônia.
 
 

2010 fundacaonazare.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade