DATA DE PUBLICAÇÃO: 07/02/2020
- Diminuir + Aumentar

Início das atividades do Sínodo Arquidiocesano nas paróquias

Fotos: Luiz Estumano.
 
Nesta sexta-feira, 7 de fevereiro, foi entregue o material de apoio do Sínodo Arquidiocesano, que iniciou com abertura no dia 15 de novembro de 2019 seguindo a programação até junho deste ano, para os vigários episcopais da Arquidiocese.
 
A realização do Sínodo da Arquidiocese de Belém é o ponta pé inicial para verificar, diagnosticar e entender a realidade da vida de igreja local e momento de grande felicidade para Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém: “É uma grande alegria tomar pé da nossa realidade de igreja de Belém e com o tema que escolhemos ‘Belém, uma Igreja de portas abertas’ o lema ‘a cidade se encheu de alegria’, porque dentro da Amazônia o maior desafio de Belém é o desafio da pastoral urbana. Então nós queremos ajudar a fermentar a sociedade, a realidade urbana com o evangelho”.
 
O Sínodo percorrerá várias etapas até os dias 27 e 28 de junho com a realização da Assembleia Conclusiva, onde será apresentado um grande material sobre a Igreja de Belém e posteriormente elaborado um plano pastoral para os próximos anos. “Então nós temos várias etapas: nós temos as assembleias paroquiais, que já iniciaram, depois as assembleias, que são feitas nas regiões; as assembleias por áreas de atuação pastoral até chegar no mês de junho, quando tudo isso vai convergir na assembleia final do Sínodo, quando nós queremos tomar pé da nossa vida de Igreja”, explica Dom Alberto.
 
 
Materiais de apoio do Sínodo Arquidiocesano.
 
O material entregue nesta manhã foi elaborado para dar apoio a toda extensão programação, que iniciou no dia 15 de novembro, e será retomada a partir do dia 15 de fevereiro com o início dos retiros das regiões episcopais Santana e Santa Maria Goretti.
 
O cônego Ronaldo Menezes, vigário episcopal da Região Santa Cruz e pároco da Paróquia São Geraldo Magela, destaca que o material vai possibilitar uma visão da realidade da igreja local. “Nós temos para o sínodo um vasto material que foi elaborado pela Arquidiocese, que já está sendo usado. Mostra esse material uma realidade pastoral, eclesial da maior importância. Nós devemos conhecer bem, porque a nossa vida da Igreja de Belém. Esse material será distribuído, será estudado, será avaliado pelas comissões das paróquias, da região. Depois voltará um material reduzido já com as finalizações para a grande assembleia diocesana”, detalha.
 
Ainda para o cônego, a realidade do Sínodo na Arquidiocese é um momento de conhecer e ampliar as realidades da vida de igreja. “Eu penso que desta maneira nós teremos a oportunidade de ter uma visão muito ampla da Igreja de Belém, das suas necessidades, das suas potencialidades e preparar um material que possa ser usado por muito tempo para a evangelização desta região. É uma bênção de Deus”, finaliza o vigário episcopal da Região Santa Cruz.
 
O material será fundamental para o início desta primeira etapa de escuta. Para o Vigário Geral da Arquidiocese de Belém, Monsenhor Raimundo Possidônio da Mata, “ a partir da entrega desse material, dos subsídios e outros materiais que os párocos irão receber eles então irão realizar, em nível paroquial, essa escuta, escutar os clamores do nosso povo, realidade das nossas paróquias, que é a realidade mais forte digamos assim da  vida  da nossa arquidiocese”.
 
Junto com a abertura das atividades a Igreja na Amazônia também vive outro momento de festa: a divulgação da exortação apostólica do Papa Francisco sobre o Sínodo para Amazônia, realizado em outubro de 2019. “O sínodo da Arquidiocese já estava programado no nosso calendário anteriormente, depois veio a convocação do Sínodo da Amazônia, aliás é bom eu dar a notícia que no dia 12 vai sair a exortação apostólica do Papa, que se chama querida Amazônia. Então nós temos essa alegria de que o nosso sínodo se realize dentro desse clima da exortação apostólica do Papa a respeito da Amazônia”, enfatiza o Arcebispo.
 
Vigários episcopais receberam materiais de apoio para auxílio nas atividades da programação.
 
Cada etapa é essencial para o bom desenvolvido do Sínodo, porque engloba cada organismo vivo da igreja local, como esclarece o Monsenhor Raimundo Possidônio: “Em um segundo momento essa escuta será feita  nas regiões episcopais, também ali várias assembleias, as regiões produzirão um grande diagnóstico da vida da Arquidiocese. Então vindo das paróquias, vindo das regiões, nós teremos uma, digamos, uma fotografia completa da vida arquidiocesana seja ela no nível, digamos assim, pastoral, mas também social, cultural, o mundo que nos envolve”.
 
Ainda dentro da programação haverá um espaço voltado para escuta externa ao povo de Deus, o chamado Seminário com as Instituições, onde será feito o processo de escuta da sociedade paraense, como lembra o Vigário Geral: “nesse processo de escuta há uma proposta de escutarmos como Igreja as instituições, o que elas pensam de nós, o que o mundo, a sociedade paraense pensa da igreja, do trabalho, da missão da igreja aqui em Belém”.
 
A última etapa será a Assembleia Conclusiva, nos dias 27 e 28 de junho de 2020, onde será recolhido todo o diagnóstico da Igreja de Belém ao longo dos meses para, no futuro, ser definidos os próximos passos. “Somente em um terceiro momento ou terceiro movimento, então nós teremos uma grande assembleia, assembleia que será realizada no final de junho, que recolherá todo esse diagnóstico para aí sim podermos como Igreja pensar os nossos passos, nosso trabalho, nossa missão, como é que ela irá se desenvolver nos próximos anos. Então esse material, lógico, será entregue aos nossos bispos e sairá o plano de pastoral da Arquidiocese para os próximos anos. Então é um movimento muito interessante, são passos muito significativos que nós iremos dar até o fim pelo Sínodo”, conclui Monsenhor Raimundo Possidônio da Mata.
 
 
Todo o material do Sínodo Arquidiocesano está disponível para download no site da Arquidiocese de Belém.
 

Outras notícias
2010 fundacaonazare.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade