DATA DE PUBLICAÇÃO: 18/06/2020
- Diminuir + Aumentar

Retomada parcial das atividades nas comunidades diocesanas de Belém

Foto: Luiz Estumano.
 
Desde que a Arquidiocese de Belém tornou público o protocolo de ações para retomada das atividades religiosas presenciais na capital e região metropolitana, as paróquias iniciaram o processo de reabertura dos templos e das realizações de celebrações eucarísticas com limitante de fiéis.
 
O documento, que segue as orientações dos governos estaduais, municipais e órgãos de saúde, enfatiza que “todas as nossas iniciativas deverão estar em sintonia com as orientações e determinações das autoridades civis e sanitárias. Continuar respeitando as medidas sanitárias do distanciamento social evitando, dessa forma, a reunião desordenada de fiéis. Para toda e qualquer iniciativa é necessário considerar a nossa responsabilidade civil e penal”.
 
Com a reabertura gradual, as paróquias de Belém mobilizam-se para garantir todos os cuidados necessários, seguindo, é claro, as recomendações da Arquidiocese de Belém, dos governos estatual e municipal e das organizações de saúde. Algumas estão adotando sistemas para os fiéis participarem das celebrações de forma organizada e sem aglomerações.
 
Celebrações estão acontecendo respeitando todas as medidas sanitárias
 
Na Catedral Metropolitana, onde houve sanitização dos espaços internos, as celebrações têm acontecido de segunda a domingo, mas com a capacidade reduzida de 60 pessoas por celebração. É necessário que cada fiel faça a retirada do ticket de acesso durante a semana na secretaria. Os horários das celebrações na Igreja Mãe da Arquidiocese desde o dia 6 de junho acontecem às 18h, de segunda a sexta, às 17h e 19h aos sábados, e 7h, 9h, 11h, 17h e 19h aos domingos.
 
As celebrações presenciais na Basílica Santuário de Nazaré voltaram a ser realizadas no dia 01 de junho, após o decreto divulgado pela Prefeitura de Belém. Nas Comunidades Sagrado Coração de Jesus e Santo Antônio Maria Zaccaria, as celebrações iniciaram no dia 7 de junho.
 
Com um limitante de 200 pessoas por celebração, entre as medidas adotadas estão o uso obrigatório de máscara, utilização de álcool em gel e o distanciamento de 1,5m entre os fiéis. O número de celebrações foi ampliado: segunda a sexta-feira: 7h,8h30,12h,18h e 19h30; aos sábados: 7h,8h30,12h e 18h; e domingo: 6h30,8h,10h,12h,16h,18h e 20h.
 
Festividade
 
A Paróquia de São João Batista e Nossa Senhora das Graças, em Icoaraci, onde também ocorreu a sanitização de seus ambientes, a fim de manter uma estratégia de combate ao novo coronavírus (Covid-19), também abriu suas portas para as missas com presença de fiéis, neste fim de semana. O procedimento de controle microbiológico é utilizado para eliminar e impedir a proliferação de vírus, bactérias, fungos e ácaros.
Na Matriz, que nessa semana vive a festividade do seu padroeiro, as celebrações presenciais acontecem para 150 pessoas que ficam sentadas distantes uma das outras. Para o pároco, padre Agostinho Cruz, o momento é um desafio que deve ser vivido com fé: “Deus está nos confiando uma importante missão, onde somos chamados a sermos testemunhas da Esperança que não decepciona, servindo e acolhendo os irmãos em nossa igreja, nesta nova etapa”.
 
Plano de acolhida
 
Na Paróquia de Santa Rita de Cássia, em Ananindeua, o retorno progressivo às Missas foi organizado de forma gradual na composição de duas grandes equipes, uma de acolhida e outra de liturgia. Essas equipes foram compostas por pessoas engajadas na paróquia e que não estão em grupo de risco.
 
A paróquia planejou um plano de acolhida para os 15% em relação à capacidade total de lotação e, desta forma, chegamos a 70 pessoas por celebração. Na entrada da igreja é verificada a temperatura e higienizadas as mãos, sendo direcionadas, em seguida, para os lugares demarcados, respeitando a distância de 1,50m.
 
“Nos dois primeiros finais de semana de junho, a participação foi bem discreta, relativamente abaixo das expectativas de um retorno em massa. Disponibilizamos fichas que são previamente adquiridas na secretaria paroquial para os finais de semana, sendo que durante a semana não está sendo necessário”, explica padre André Teles, pároco de Santa Rita.
 
O sacerdote informa que foram feitos investimentos paroquiais para prevenção neste tempo de pandemia como a aquisição de material de higiene como EPI’s, luvas, álcool e gel, água sanitária para higienização diária após cada celebração. Com as missas nas comunidades suspensas, por enquanto, a recomendação é que os fiéis participem da missa na Matriz, dado que relativamente as comunidades paroquiais são próximas à Igreja Matriz.
 
Transmissões
 
O retorno gradual acontece em paróquias mais distantes também, como é o caso da de Santo Afonso Maria de Ligório, bairro da Pratinha, adotando todas as medidas que pedem os órgãos sanitários. Para padre Rangel Bentes, pároco de Santo Afonso, o retorno tem sido lento, pois na área houve inúmeros casos de covid-19.
 
Com redução no número de fiéis por celebração, as transmissões foram mantidas, seja durante a semana como nos domingos. Na avaliação do pároco, a situação atual está ensinando a todos uma mudança de comportamento e mentalidade voltado ao bem-estar coletivo: “pensando em tudo isso, sempre estou lembrando os meus paroquianos que devemos continuar a nossa caminhada mas de maneira diferente da que que entramos nessa pandemia. A novidade de tudo isso deve estar no coração dos que sofreram e se compadeceram com o sofrimento do próximo”.
 
Na Igreja da Trindade, centro de Belém, a preocupação tem sido constante desde o retorno na última semana. As celebrações eucarísticas da semana que acontecem às 18h30 são transmitidas nas redes sociais, assim como a do sábado e domingo às 19h. A Matriz passou por um processo de sanitização, adquiriu totens para a higienização dos fiéis, quadro protetor para a Comunhão que tem sido feita com luvas e retirada dos bancos e no lugar, foram colocados bancos referentes aos 15% da Igreja.
 
“Os serviços de acólitos ainda não voltaram, nem dos ministros e diáconos. Somente os padres estão preparando o altar nesse momento. Um de casal fica na acolhida e a oferta ocorre no final da Santa Missa para evitar a aglomeração”, explica cônego Vladian Alves, pároco da Trindade.
 
Segundo o sacerdote, o momento é de união e esforço de todos para ultrapassar a pandemia: “digo a todos os paroquianos que tenhamos sempre a esperança, a paciência, que as coisas podem, de fato, mudar com a colaboração de todos com aquilo que nos é possível nesse momento. E confiar mesmo em Deus, dedicar um tempo para oração, pedindo que as coisas mudem e, na medida do possível, vamos voltando com nossas atividades”, conclui.
 
 



Outras notícias
2010 fundacaonazare.com Todos os direitos reservados. Política de privacidade